Limpa Piscinas

5 dicas para Economizar Energia em uma Piscina Aquecida

Compartilhe

5 dicas para Economizar Energia em uma Piscina Aquecida

Uma piscina aquecida consome uma grande quantidade de energia, tanto elétrica como na forma de combustíveis fósseis (diesel ou gás natural).

Por outro lado, o cumprimento dos acordos internacionais de redução de gases de efeito estufa é um objetivo que só pode ser alcançado com a soma dos esforços de cada um de nós em nossas áreas de responsabilidade.

Economizar energia em piscinas aquecidas e reduzir sua emissão de CO2 são dois objetivos que podem ser alcançados em curto prazo. Isto implica uma mudança de mentalidade por parte do operador destas instalações, que deve seguir o caminho da eficiência energética nas tecnologias de climatização utilizadas.

A substituição das tecnologias de desumidificação e aquecimento de piscinas não é cara, desde que sejam escolhidos equipamentos eficientes que permitam economizar no consumo de energia e, portanto, sejam amortizáveis ​​no curto prazo.

5 dicas para economizar energia em uma piscina aquecida

Quando falamos em aquecimento de uma piscina, referimo-nos a duas ações distintas: desumidificar e aquecer o ambiente da piscina aquecida. Para fazer isso, as tecnologias “2 em 1” são necessárias para executar essas duas funções:

  • Desumidificadores que mantêm a umidade do ambiente dentro dos parâmetros regulamentares e conforto térmico. Algumas entidades referem que piscinas aquecidas (públicas) devem manter uma umidade ambiente abaixo de 65%.
  • Bombas de calor, caldeira, energia elétrica ou solar: sua função é amenizar o ambiente.

Existem inúmeras tecnologias para esse fim, mas nossas recomendações são as seguintes:

  1. Tecnologia voltada para o uso de energia

Devemos atualizar a abordagem de desumidificação da antiquada “força bruta” dos compressores para uma tecnologia voltada para o uso de energia. Esta abordagem inclui sistemas de desumidificação ativos e passivos diferentes e complementares, que fornecem a maior capacidade de secagem em todos os momentos com o consumo mínimo:

  1. Desumidificação fria (ativa)
  2. Troca de calor e condensação em recuperadores
  3. Substituição com ar externo

 

  1. Bomba de calor, a melhor opção para ar condicionado

A bomba de calor retira energia do ambiente natural (ar, água ou terra) e transporta-a para o interior dos quartos, aquecendo-os. É de grande importância otimizar o projeto dos elementos do circuito de refrigeração da bomba de calor (incluindo a seleção do gás refrigerante) para que o desempenho seja o mais alto possível e, assim, reduza os custos de aquecimento ao mínimo. O mais recomendado é ter uma bomba de calor concebida especificamente para cada tipo de serviço: aquecimento de água por fan-coil, aquecimento de água de piscinas, serviços de alta temperatura, etc. Esta é a única maneira de alcançar o desempenho máximo.

  1. Recuperação de energia

Os sistemas de recuperação de energia são um aspecto fundamental para a eficiência energética. Por outro lado, os permutadores de ar que devem equipar as bombas de calor desumidificantes, que se integradas no seu sistema de refrigeração formando um circuito de refrigeração regenerativo, constituem um equipamento tremendamente eficiente em termos energéticos e económicos. Por outro lado, recuperadores de calor à base de água, como os de condensação em unidades frigoríficas, podem dar uma contribuição muito significativa e totalmente gratuita no verão.

  1. Monitoramento e controle

É necessário incorporar um sistema de controle perfeitamente integrado que seja responsável por manter o equilíbrio das diferentes funções do equipamento em cada condição climática e em cada ponto de operação. Através deste sistema de controle, é possível visualizar e modificar os parâmetros operacionais da máquina, bem como realizar o monitoramento de qualquer computador ou dispositivo móvel (telefone, tablet, etc.)

  1. Manutenção

Os fatores nos permitirão reduzir o tempo de supervisão que os técnicos têm que investir na otimização do funcionamento das máquinas:

  • Um sistema de controle eficaz e comunicável que tem a capacidade de otimizar o funcionamento dos diferentes subsistemas dos desumidificadores (compressores, sistema de recuperação, “secagem livre” …).
  • Bombas de calor.

Existem outros aspectos que reduzem a jornada de trabalho dos serviços de manutenção. Por um lado, uma monitorização eficaz do estado das máquinas (filtragem, caudal, pressões do sistema de refrigeração …). Por outro lado, o conhecimento proporcionado pelo armazenamento de históricos operacionais,

Em suma, devemos seguir o caminho da eficiência energética para desumidificar e aquecer piscinas cobertas. Como? Optar por uma tecnologia em constante desenvolvimento que se baseia no aproveitamento do ar externo e na poupança de energia.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.